Translate

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Programando manuais de instruções

Os jogos presenciais, como os JPs (Jogos de Personificação) por exemplo, dependem de dois tipos de recursos básicos para suas sessões de jogo: a plataforma física e o suporte antropológico.

A plataforma física de um jogo presencial inclui tanto a locação (ex.: sala com mesa e cadeiras), quanto os equipamentos (ex.: dados poliédricos, formulários impressos em papel A4) dos quais depende a sessão de jogo.

Já o suporte antropológico são as pessoas que participam do jogo, cujos sistemas sensório-motores base (seus corpos e mentes) atuarão sobre a plataforma física para que ocorra a sessão de jogo.

E é sobre os sistemas sensório-motores base do suporte antropológico que os criadores de jogos presenciais atuam, "programando-os" por meio das instruções de jogo, para que o jogo se torne possível.

A "linguagem de programação" de jogos presenciais é composta por cinco classes de comandos (instruções) básicos:
  1. Sinta algum estímulo ambiental específico (ouça, veja, observe, leia, etc);
  2. Pense em algo específico (preocupe-se, lembre-se, imagine, etc);
  3. Modifique esse pensamento de alguma forma específica (imagine se, etc);
  4. Expresse o pensamento resultante (mova-se, movimente-se, fale, etc);
  5. Salte para outra instrução posterior ou anterior a esta.
Por exemplo, ao se jogar um JP clássico, o administrador da experiência de jogo (vulgo "mestre de jogo") após ter lido o manual do jogo (ou seja, após ter recebido os estímulos proporcionados pela leitura), descreve um cenário fictício (ou seja, expressa pelos movimentos de seus órgãos de fala) para o grupo de jogadores (que então recebem tais estímulos) e pede que descrevam como seus personagens pretendem agir (ou seja, que pensem e depois que expressem por meio da fala o que imaginaram). O administrador da experiência de jogo então percebe que um dos jogadores descreveu que seu personagem tentará executar uma ação desafiadora dentro do espaço imaginário compartilhado, então o administrador recorre às regras de teste de habilidade de seu manual (saltando então para uma instrução que requer o manuseio de dados poliédricos e a comparação com informações escritas no formulário de personagem do jogador).

A princípio pode parecer complicado, mas é uma forma de pensar a criação de jogos que permite elaborar as instruções em detalhes, além de permitir que seja escrita em diversos estilos a fim de obter experiências de leitura e de jogo distintas.

4 comentários:

  1. É um bom início cara, investigar cada mínimo aspecto do jogo faz você entender melhor sobre como produzir a interface mais adequada à experiência do jogo. Continua aew!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela força, Edu! Vou continuar a desenvolver o método sim, até que seja possível publicar um Kit para Desenvolvedores de Jogos Presenciais.

      Excluir
  2. doido! mas pra mim nem rola, acho a linguagem difícil de digerir e nada prazeroso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Wagner, pelo feedback.
      Vou tentar encontrar nomes melhores depois de desenvolver melhor os conceitos utilizados.

      Excluir